Arena Condá recebe pintura da Tintas Coral

23/01/2018 - 15:01

Obra do artista Paulo Consentino representa o gol que poderia ter acontecido na final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional da Colômbia

Um grande painel foi inaugurado em um dos portões de entrada da Arena Condá, em Chapecó (SC), como forma de homenagem à Chapecoense, time campeão da Copa Sul-Americana de 2016. O projeto ‘Gol eterno’, liderado pelas Tintas Coral e executado pelo artista Paulo Consentino, representa o gol que poderia ter acontecido na final da competição, contra o Atlético Nacional (COL). O presente tem o intuito de eternizar a lembrança da equipe por meio da arte. O intuito é que toda vez que as pessoas passarem por lá possam relembrar com carinho daqueles que representaram a cidade e o Brasil no esporte. A obra retrata os 11 jogadores titulares da Chapecoense a cada jogada em busca da conquista. Ao fundo, a bola no gol. À frente, os jogadores do banco de reserva. A homenagem conta com a participação do jornalista Rafael Henzel, um dos seis sobreviventes do fatídico acidente. Como se voltasse no tempo, ele narra cada lance rumo ao gol do título da competição sul-americana. Por meio de um QR Code anexo à pintura, as pessoas podem acompanhar a narração. A ideia, criada pela agência Mullen Lowe Brasil, é simbolizar com carinho aquele que seria um dos principais momentos da Chape na temporada para toda a cidade e comunidade de Chapecó (SC), às vítimas e familiares do acidente e o mundo dos esportes, em geral.

Reconhecido por trabalhos feitos pelo mundo, Paulo Consentino e uma equipe com outros cinco profissionais passaram 17 dias dedicando-se à pintura de  aproximadamente 500 m² do painel localizado na parede Oeste da Ala Norte da Arena Condá. O projeto contou ainda com cerca de 100 pessoas envolvidas indiretamente.

O artista destacou a emoção e a grande experiência que ele e sua equipe viveram durante o período de produção. "Me sinto muito honrado em participar de um projeto como esse. Foram dias intensos de muito trabalho e emoção. Você vive um pouco da realidade da cidade. É algo que não tem comparação", disse Consentino, que se emocionou durante a execução do projeto.

"Foi um trabalho muito sentimental, diferente de todos os outros que já fiz. Me pegava com lágrimas nos olhos muitas vezes. É uma história que tem vários ingredientes e, principalmente, mostra a superação de um clube que estava em ascensão e passou por tudo o que passou. Me envolvi muito e o grande objetivo é preservar a memória de um time, de um gol e de um título", completou. 

O artista revelou ainda um detalhe importante da arte. O autor do "gol eterno" é o atacante Ananias. O portão em que a obra está registrada pode ser visto por parte da torcida de dentro da Arena Condá. A jogada do gol, representada na arte, vai em direção ao estádio. "Colocamos a bola de volta para a Chapecoense. O gol é uma inspiração, uma alusão. É como se Ananias estivesse de volta ao campo, colocando a bola em jogo novamente. Ele foi o autor do último gol do time na Copa Sul-Americana, contra o San Lorenzo. Nada mais representativo", explicou.

Consentino contou com visitas ilustres durante a execução do projeto. O zagueiro Neto e o jornalista Henzel, sobreviventes da tragédia, aprovaram de perto a grande homenagem liderada pelas Tintas Coral. "Conheci muita gente durante esse período. O futebol aproxima as pessoas. Neto e Henzel foram nos visitar, contaram histórias, falaram sobre a vida pós-acidente. Foi um momento único, que ficará marcado para sempre", finalizou o artista.

  Mais notícias

Coral Sayerlack Anuncie aqui