Ararinhas-azuis ganham versão animada para celebrar sua soltura na caatinga baiana

14/06/2022 - 10:06

Curta-metragem As Aventuras de Tita, dedicado ao público infantil, visa fomentar educação ambiental

Depois de ganhar o céu do Brasil com a pintura do avião mais colorido da América do Sul, enormes grafites e pinturas de prédios históricos, o projeto Ararinha-Azul, uma parceria entre a AkzoNobel/Tintas Coral, a Azul Linhas Aéreas e a Embraer, chega às telas. A iniciativa criada para celebrar o retorno das aves no Brasil e fomentar a conscientização sobre a preservação da biodiversidade agora inclui um curta-metragem de 11 minutos lançado dia 10 de junho, na véspera da data em que as ararinhas começaram a ser soltas gradualmente em seu habitat natural.

Em 3 de março de 2020, 52 exemplares de ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) retornaram ao seu lar: a caatinga baiana. As aves vieram da Alemanha, por meio da organização não-governamental alemã Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP) que, em parceria com o Governo Federal (representado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/ICMBio e Ministério do Meio Ambiente), as repatriou para o Brasil. A ararinha-azul é uma espécie exclusiva do Sertão do São Francisco, especificamente do munícipio de Curaçá (BA). Agora, depois de um período de adaptação em sua terra natal, onde um centro de reintrodução e soltura foi construído pela ACTP para receber as ilustres habitantes, as aves serão soltas em uma área monitorada - algo excepcional, considerando-se que, em 2000, a espécie foi classificada possivelmente extinta na natureza, restando apenas indivíduos em cativeiro, de acordo com o ICMBio. A presença das ararinhas-azuis em seu habitat original tem grande importância na educação e preservação da biodiversidade no mundo - e mais especialmente nessa região de bioma único, lar dessas aves e onde também ganha relevância na vida cultural, artística e turística local. Pensando nisso, o Projeto Ararinha-Azul se uniu ao Projeto da Tita Ararinha, criado pelo ambientalista sertanejo Victor Flores e desenvolvido ao lado de artistas locais, com apoio cultural da AkzoNobel, Azul, Embraer e máster da Bayer.

O objetivo é desenvolver, por meio da literatura e do audiovisual, uma consciência ambiental, sobretudo de preservação da ararinha-azul e da valorização desse bioma exclusivamente brasileiro, a caatinga. O projeto tem incentivo Fiscal Federal pela Lei Rouanet, através do Ministério da Cidadania e Secretaria Especial da Cultura. A Tita, garota capaz de se transformar em ararinha-azul, alçará voos através do curta-metragem As Aventuras de Tita (PRONAC 204811).

Na produção, a chegada de um grupo de ararinhas azuis repatriadas da Europa para o Brasil é interrompida quando a caixa de transporte, misteriosamente, é roubada. Cabe à Tita e aos amigos Timbum (o peixe-pintor) e Dudé (o bode aventureiro) investigarem o ocorrido e encontrarem uma solução para salvar os animais e proteger a caatinga. Dirigido por Eduardo Padrão e baseado na obra de Victor Flores, o curta é uma forma de mostrar às crianças do Brasil e do mundo a importância de preservar esse bioma tão fundamental ao país e ao planeta. A obra tem versão em português, inglês e espanhol e foi produzida pelo estúdio pernambucano Viu Cine. O curta pode ser visto no canal do YouTube Victor Flores e a Tita e também será exibido durante os voos da Azul.

“A caatinga sofreu historicamente com narrativas de que é tudo seco, tudo morto, e isso potencializou a degradação velada e, infelizmente, a extinção na natureza da ararinha-azul. O projeto ‘As Aventuras de Tita’, que engloba quatro livros infantis, músicas e agora o curta-metragem, surgiu com a missão de despertar nesse público um sentimento de pertencimento e valorização desse bioma, que é exclusivamente brasileiro. Agora, com a parceria de empresas que compartilham desses valores de preservação, a ararinha mais simpática do Brasil irá alçar voos ainda maiores!", destaca Victor Flores, criador do projeto.

Relembrando

No final de 2020, a fim de promover a reflexão sobre a importância da preservação ambiental por meio da celebração da volta das ararinhas-azuis ao Brasil, uma ação de co-branding entre a AkzoNobel/Tintas Coral, a Azul e a Embraer levou para os céus do Brasil o avião mais colorido da América do Sul, com 58 cores, sendo 28 delas desenvolvidas pelo laboratório de aeroespace da AkzoNobel exclusivamente para a ação. O grafiteiro, diretor de arte do mercado publicitário e designer paulistano Luiz Antônio Ferreira da Silva, mais conhecido como Pardal, com curadoria da Dionisio.AG e a convite da Tintas Coral, deu cor e vida à arte do Embraer 195 E2 da Azul, aeronave batizada Ararinha-Azul, homenagem à fauna e flora brasileira que pode ser vista em diversas rotas pelo país. O mesmo tema também ilustrou, em 2021, pelas mãos do Pardal, a empena de um prédio da famosa Avenida São João, na capital paulista, em uma ação do Movimento Tudo de Cor, da Tintas Coral, com apoio de pintores profissionais convidados pela Coral, que até hoje é um convite para a reflexão sobre a importância da proteção da biodiversidade brasileira para quem passa nos arredores do conhecido Minhocão.

“Ararinha-Azul é uma das aeronaves mais belas da nossa frota. Temos um orgulho imenso de voar com esse avião totalmente brasileiro, com a pintura mais colorida do país. Ela é uma homenagem da Azul à fauna e à flora do Brasil. Junto com a AkzoNobel e todas as instituições envolvidas neste projeto, celebramos o retorno dessas aves ao seu hábitat natural, ampliando a conscientização sobre a preservação da biodiversidade”, destaca Daniel Bicudo, diretor de Marketing da Azul.

Paralelamente, o Movimento Tudo de Cor também levou sua experiência de mais de 10 anos de história e 2 mil projetos, com 19 mil imóveis renovados, à Curaçá. Em parceria com a prefeitura local, o projeto realizou a revitalização de duas edificações de inestimável valor para a cidade, preparando o local para receber as ararinhas de volta.

Um dos locais revitalizados foi o Teatro Raul Coelho, o segundo mais antigo da Bahia em funcionamento, datando de 1895, e o único teatro centenário no território do Sertão do São Francisco. O local oferece à população, além de cultura, lazer e entretenimento, a possibilidade de exploração turística, devido à sua idade, história e localização. Ao longo de todos esses anos, foi e ainda é o palco de eventos e de manifestações culturais e nunca deixou de ser um espaço central usado pela comunidade de Curaçá e cidades vizinhas. Outro espaço de cara nova é a Igreja Bom Jesus da Boa Morte, que tem cerca de 200 anos de história. O povoado de Pambu, hoje conhecido como Curaçá, se formou ao redor dessa igreja, que é o patrimônio religioso mais antigo do local. Além disso, a convite da Coral, o grafiteiro Pardal foi à Curaçá pintar, com a ajuda de artistas e moradores locais, um mural em uma casa centenária do centro histórico, um mural inspirado na arte do avião Ararinha-Azul.

“A volta das ararinhas-azuis para o sertão baiano nos motivou a realizar muitas ações para chamar a atenção para a importância da preservação ambiental nesses últimos dois anos. Estamos honrados em levar mais cor à cidade que é guardiã dessas aves, apoiar o audiovisual e participar de toda essa movimentação em prol da conscientização e necessidade de proteger nossa flora e fauna, assim como fazemos em diversas outras frentes”, comenta Elaine Poço, diretora de Pesquisa & Desenvolvimento e Sustentabilidade da AkzoNobel para a América do Sul.

  Mais notícias

Koretech Luztol Anuncie aqui